3 de fev de 2016

FRANÇA PERDOA JUROS DA DÍVIDA CUBANA E EXORTA OS EUA A PÔR FIM AO BLOQUEIO

#‎FIMDOBLOQUEIO‬

teleSUR.- A visita do presidente cubano, Raúl Castro, à França, representa uma nova etapa histórica entre Cuba e Europa e expõe o retrocesso da política de bloqueio do Ocidente.

                                                                                                                                                                                                                                
Abaixo, oferecemos a versão especial de cobertura de dois meios da imprensa oficial espanhola: El País e El Mundo.

França assume a frente da aproximação europeia com Cuba.

Castro e Hollande estabelecem um primeiro fundo franco-cubano de 200 milhões para impulsionar o investimento.

Paris / Bruxelas

 Raul Castro escolheu a França para ser a sua primeira visita de Estado a um país europeu. Depois de ser recebido com todas as honras, o presidente cubano agradeceu ao presidente francês François Hollande sua liderança nas negociações com a União Europeia e o cancelamento de parte de sua dívida externa. A França, país que mais rapidamente reagiu para o início de uma abertura com Cuba, se posiciona para multiplicar seus intercâmbios comerciais com a ilha assumindo a liderança com os seus parceiros europeus, entre eles a Espanha.

Cuba se abre para o mundo e a França tem demonstrado o seu desejo de estar lá, na frente, para benefício mútuo. A alta representante da política externa europeia, Federica Mogherini, viajou a Havana em março 2015, apenas três meses depois do presidente dos EUA, Barack Obama, e do presidente de Cuba, Raul Castro, anunciarem o início da normalização das suas relações. Mas em maio, François Hollande foi o primeiro dos Vinte e oito chefes de estado a visitar Cuba após o anúncio. Esse gesto tem dado frutos para os dois países.

Paris tem desempenhado um papel essencial no cancelamento de parte da dívida cubana (11.900 bilhões) e Havana respondeu oferecendo a França uma "amplificação das relações" em todos os campos. "Eles criaram condições mais favoráveis para as nossas relações financeiras", disse Raul Castro na segunda-feira na aparição pública após reunião com Hollande no Palácio do Eliseu, em Paris. Parte da dívida contraída com a França há mais de 30 anos tornaram-se agora, pelos dois líderes, no primeiro fundo de investimento franco-cubano de 200 milhões de euros.

É uma quantia enorme se levarmos em conta que em 2014 as exportações da França para Cuba totalizaram 180 milhões de euros. "Nossas relações não têm sido muito densas", explica uma fonte diplomática francesa, "e agora podemos estabelecer uma relação muito particular e quase inesperada. Cuba está se abrindo para o mundo e devemos apoiá-lo ".

Paris tornou-se um aliado essencial para Castro em suas relações com a União Europeia. Hollande expressou seu desejo de enterrar o bloqueio para que "Cuba ocupe o lugar que merece no mundo" e a intenção de Paris de lutar para que a ilha supera todos os obstáculos existentes em seu entendimento com Bruxelas.

Paris se volta para a América Latina

Paris aprecia o papel de Havana como um parceiro importante para a América Latina. "Cuba é uma voz única no mundo", disse Hollande na segunda-feira, recordando seus esforços de paz para a Colômbia e Venezuela. A América Latina é um continente sem graves conflitos que Paris acredita ter negligenciado até agora. Está programado para o final de fevereiro uma visita de Hollande à Polinésia em que ele aproveitará para passar no Peru, Argentina e Uruguai.

Dentro da UE, apenas o primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, reagiu rapidamente ao degelo cubano. Ele se reuniu com Castro em maio passado em Roma, aproveitando a visita do presidente cubano ao Vaticano e viajou para Havana em Outubro com uma delegação de empresários. A Itália é, depois da Espanha, o país que mais exporta bens para a ilha, segundo dados da Comissão Europeia. O governante italiano incentivou os empresários de seu país a aproveitarem as oportunidades de negócios em Cuba, um país que considera as suas necessidades de investimento estrangeiro em 8.000 milhões de euros.

Alemanha, com menos interesses comerciais e de investimento na região, no mês passado também enviou uma delegação liderada por Sigmar Gabriel, vice-chanceler alemão e ministro da Economia. Como resultado dessa viagem, Berlim, terceiro exportador europeu da ilha, decidiu abrir um escritório de vendas no país.

Este ativismo político contrasta com o perfil muito mais baixo que têm adotado as autoridades espanholas. Os dados falam por si: 43% de todas as exportações europeias para Cuba procedem da Espanha. Mesmo assim, a mais alta autoridade que viajou nos últimos anos a ilha tem sido o ministro das Relações Exteriores, José Manuel Garcia-Margallo, que deixou Havana sem conseguir encontrar Castro em novembro de 2014.

Fontes espanholas afirmam que isso não implica um retrocesso na posição de investimento e comercial na ilha e lembram que um dos principais contratos assinados com a retomada das relações entre Washington e Havana, a balsa que liga Cuba com os Estados Unidos, foi de com uma empresa espanhola. A companhia de Navegação Balearia de propriedade do ex-ministro do PP Abel Matutes, obtido em meados de 2015, a primeira licença para conectar Havana com a Flórida. O ministro da Indústria, José Manuel Soria, viajou em julho para o país caribenho com uma delegação de 75 empresários interessados em abrir -ou ampliar- um negócio na região.

Hollande pediu a Obama para "ir até o fim" e acabar com o bloqueio a Cuba

Castro agradeceu a Hollande seu apoio de "ir até o fim" em o bloqueio comercial contra Cuba imposto pelos Estados Unidos
Em uma conferência de imprensa com Raul Castro, após uma reunião bilateral, ele descreveu o bloqueio como "vestígio da Guerra Fria".

Castro, que agradeceu ao presidente francês por sua mensagem, reconheceu a França como "um parceiro importante para Cuba"

MARÍA D. VALDERRAMA Paris 

Raul Castro chegou na França pela primeira vez em uma visita oficial. O líder cubano, que sucedeu Fidel Castro em 2006, desembarcou no sábado em Paris, onde permaneceu por dois dias sem encontros oficiais -pelo menos de forma publica-, porém passou esta segunda e terça cercado da pomposidade que supõe uma visita oficial.

A sua presença aqui responde a viagem de François Hollande a Cuba em maio passado, que foi o primeiro líder ocidental a visitar a ilha após o restabelecimento das relações com os Estados Unidos. França, um dos 10 primeiros parceiros econômicos de Cuba, quer se tornar o primeiro aliado do Ocidente e fortalecer a presença de empresas francesas na ilha.

Neste sentido, após reunião com Hollande, o presidente francês pediu que seu homólogo norte-americano, Barack Obama, para "ir até o fim" para acabar com o "vestígio da Guerra Fria", conforme descrito no bloqueio comercial contra Cuba, informou a EFE.

Em um comunicado à imprensa acompanhado do líder cubano, Hollande declarou que, apesar do "progresso" feito pelos Estados Unidos, ainda falta "eliminar" o bloqueio.

"Obama, que tem conseguido o, deve, como ele mesmo disse, percorrer todo o caminho e permitir que este vestígio da Guerra Fria tenha fim", disse Hollande.

Hollande também quer ser o intermediário entre as relações entre Cuba e a UE, para o qual as negociações começaram em abril de 2014, buscando chegar a um "acordo de diálogo político e cooperação."

Para o presidente, a França "sempre esteve convencida da necessidade de por fim ao bloqueio apesar das tensões internacionais" e recordou que esta foi a mensagem que enviou as autoridades cubanas ao viajar para Cuba em maio passado.

Após a intervenção de Hollande, Castro, em uma visita de estado à França nesta terça, agradeceu ao presidente francês sua mensagem contra o bloqueio e por exercer um "papel de liderança" nas relações entre a ilha e a União Europeia (UE)

"A França é um parceiro importante para Cuba. Somos duas nações com diferentes realidades históricas e culturais (...), mas nossas relações são de amizade", expressou Castro.

Menos de uma semana após a polêmica visita do presidente iraniano Hassan Rohani, com quem Paris firmou vários acordos milionários, agora Hollande se prepara para buscar novos acordos com o potencial aliado Caribenho que aproveitará, ao mesmo tempo, para mostrar a sua nova cara .

Segundo afirmou uma fonte diplomática à AFP, a questão dos direitos humanos só será tocada em "discussões bilaterais".


                                                                    
 
Com o Champs Elysees enfeitado com bandeiras cubanas, Castro foi recebido oficialmente na manhã da segunda-feira sob o Arco do Triunfo, na presença do Ministro da Ecologia e do Desenvolvimento, Ségolène Royal, em seguida, reuniu-se com o presidente francês e, finalmente, participou de um jantar em sua homenagem no Palácio do Eliseu. Na terça-feira, ele se reuniu com o diretora-geral da UNESCO, Irina Bokova, a prefeita de Paris, Anne Hidalgo, o Presidente da Assembleia Nacional e do Senado, Claude Bartolone e Gerard Larcher, respectivamente, e, finalmente, o primeiro-ministro Manuel Valls .

Em 1995, Fidel Castro foi recebido por François Mitterand, quase ao final do seu mandato, em um encontro oficial muito polêmico, cercado por protestos de opositores cubanos. Na época, Castro confidenciou a um diplomata francês que a visita significou o início do "apartheid" dos países ocidentais impostos a Cuba, apesar de a abertura ter demorado vinte anos para ocorrer.

Fonte: cubainformación 
una brecha en el bloqueo mediático

                                                VENCEMOS !!! VENCEREMOS !!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário